ELEIÇÕES: Justiça vai multar em R$ 100 mil e prender quem fizer carreata ou aglomeração em Capelinha

0

O Ministério Público Eleitoral, realizou ontem uma representação contra a coligação “Capelinha, Participação e Desenvolvimento” e a coligação “Capelinha não poder parar”, para pagamento de multa de R$ 100 mil reais devidos a possíveis atos de campanha irregulares programados para este sábado, 14 de novembro.

De acordo com informações do documento, no dia 28 de setembro, tendo em vista o início da campanha eleitoral e as limitações impostas pelo atual cenário de pandemia vivenciado, foi firmado Instrumento de Acordo entre Coligações, Partidos e Candidatos de cada Município integrante da 67ª Zona Eleitoral.

Pub Artigo

Mas, no final da tarde de ontem, 13 de novembro, antevéspera das Eleições Municipais de 2020, reta final da campanha eleitoral, a Promotoria de Justiça recebeu ofício da Polícia Civil e da Polícia Militar informando que a Coligação “Capelinha, Participação e Desenvolvimento”, comunicou que realizará carreata no dia 14/11/2020, com início às 16hs e término às 18hs, em total descumprimento do Instrumento de Acordo celebrado.

Já a Coligação “Capelinha Não Pode Parar”, ao arrepio da lei, comunicou que realizará uma reunião na Praça do Povo às 06 horas da manhã.

Para o MP, “além do risco social, se a conduta vier a ser praticada, haverá um desequilíbrio entre os candidatos, comprometendo a isonomia do pleito eleitoral, já que as partes que respeitaram o acordo e cumpriram com o combinado, ficarão prejudicadas e em desvantagem, já que não promoveram atos políticos semelhantes”, enfatiza a promotoria.

Caso haja descumprimento da liminar, além de possíveis prisões, as ações terão multa de R$ 100.000,00 (cem mil Reais) para cada ato, a ser destinada para entidades beneficentes desta Zona Eleitoral de Capelinha. A Justiça também convocou a Polícia Militar e Polícia Civil locais para impedir a realização dos mencionados atos, em caso de desobediência, e a comunicar a ocorrência imediatamente a esse juízo, com identificação dos responsáveis, inclusive com apreensão do material utilizado, incluindo trios elétricos ou congêneres, a teor do art. 41§ 1º da Lei 9.504/97, sem prejuízo da condução dos responsáveis pelo crime de desobediência art. 347 do CE ou art. 330 do CPB.

A representação foi acolhida pela Justiça que deferiu a liminar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui