Petrobras anuncia aumento no diesel: como nova alta afeta o consumidor?

0

Nos últimos 12 meses, aumento acumulado no preço do combustível foi de 49%, o que afeta, ainda que indiretamente, toda a cadeia produtiva brasileira.

Nos últimos 12 meses, aumento acumulado no preço do combustível foi de 49%, o que afeta, ainda que indiretamente, toda a cadeia produtiva brasileira. Mas conforme explicam os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, ainda que a população não sinta o efeito diretamente em curto prazo, a alta deve, sim, ser repassada.

Pub Artigo

“O diesel já havia subido 49% nos últimos 12 meses, então qualquer reajuste que surja daqui pra frente pesa mais na estrutura produtiva”, aponta André Braz, coordenador do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) do FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas). O aumento tem pouco impacto no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), medida usada para acompanhar tendências de inflação para o consumidor final.

“Mas quando se trata do IPA, índice que mede a inflação ao produtor indústria e agricultura, o diesel tem um peso até maior do que a gasolina. Isso porque todo o processo produtivo, desde o funcionamento das máquinas agrícolas até sistema de logística. Tudo que consumimos de bens ou serviços tem o diesel como insumo em alguma magnitude”, explica Carla Argenta, economista-chefe da CM Capital Markets.

Dessa forma, ainda que não seja de um dia para o outro, os custos devem chegar à população. “O repasse não é necessariamente um para um, há um espaço de margem dos produtores ou responsáveis pelo frete e parte da inflação pode ser diluída, mas o aumento é esperado porque as margens de lucro já estão comprimidas”, diz Felipe Sichel, economista-chefe do Banco Modal.

Outro ponto que pode ser sentido pela população geral é o aumento das passagens de ônibus.

“Sabemos o quão relevante é o transporte rodoviário e o transporte público urbano aqui no Brasil, e como os ônibus são movidos a diesel, é mais uma pressão sobre o preço das passagens”, aponta Sichel.

Até o momento, a alta das passagens não havia sido tão significativa. O IPCA aponta aumento da de ônibus municipais em 1,2%, e para os intermunicipais e interestaduais, entre 1,5 e 2,5%.

“O caixa dos municípios e estados estava muito bem, arrecadação por ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) surpreendeu positivamente, evitando que repassassem a alta do diesel via aumento de tarifas”, explicou a economista Tatiana Vieira, da XP Investimentos, na última semana.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui