COVID-19: maioria dos internados em MG não se vacinou ou tomou só a 1ª dose

0

A aceleração dos casos de COVID-19 tem preocupado e lotado vagas destinadas a pacientes com quadros respiratórios nos hospitais. Autoridades, especialistas e os dados mais recentes mostram que a maior parte dos internados não completou o esquema vacinal ou são pessoas acima de 75 anos, ou ainda, têm muitas comorbidades associadas. Números referentes às internações por COVID-19 em Unidades de Terapia Intensiva e leitos clínicos da rede do SUS compilados pela Secretaria de Estado de Saúde ontem confirmam o peso da vacinação para evitar casos graves: 80% dos internados em UTI são não vacinados ou tomaram apenas uma dose de imunizante, mesmo perfil de 85,8% dos que estão recebendo atendimento em enfermarias.

De acordo com os dados, extraídos ontem do Sivep-Gripe, que concentra informações enviadas pelos municípios, dos 437 pacientes internados em leitos SUS de UTI COVID-19, 324 (74,14%) não foram vacinados, 26 (5,97%) tomaram somente uma dose de imunizante  e 87 (19,9%) receberam duas injeções ou dose única (Janssen) . Nos leitos de enfermaria, são 2.236 pacientes internados, dos quais 1.750 (78,26%) não tomaram nenhuma dose de imunizante, 144 (6,44%) receberam apenas a primeira e 324 (14,49), duas ou a dose única.

Pub Artigo

“São pacientes que, na maioria, não estão com a vacinação completa. Ou então está completa, mas muitos são idosos ou com muitas comorbidades”, explica o médico infectologista Estevão Urbano, integrante do Comitê COVID-19 da Prefeitura de Belo Horizonte, com base em suas observações sobre o quadro na capital mineira. A pressão nos hospitais é forte, mas o panorama é diferente do observado em outros picos da pandemia com prazos menores de internação e menos mortes, observa o especialista e instituições de saúde.

Estêvão Urbano observa também que o tempo de internação dos infectados tem sido menor se comparado com os outros picos de contaminação, como em março e abril do ano passado e no início da pandemia, entre abril e junho de 2020. “A gente tem notado que a taxa de mortalidade está menor. A gente está conseguindo salvar mais pessoas do que na primeira onda. Isso pode ser efeito de algum resquício de vacinação ou de um melhor tratamento que aprendemos a fazer com o tempo, mas também eventualmente porque talvez a cepa seja um pouco mais branda”, observa Urbano.

O médico reforça que os cuidados contra a proliferação do coronavírus e outros vírus respiratórios devem permanecer. “O que temos que fazer para evitar aumento de internações é reduzir a exposição. Isso significa não aglomerar e usar máscara sempre”, enfatiza.

Fonte: ESTADO DE MINAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui